CNN.com - Execução em Connecticut adiada - Jan 24, 2005

CNN.com - Execução em Connecticut adiada - Jan 24, 2005 (em inglês)

Sempre que vejo uma notícia assim, não sei se fico feliz ou triste. É que fico feliz pois há ainda chance de alguém que vai ser executado pela lei da pena de morte pode ainda não ser executado. Entretanto fico triste pois vejo o quanto ainda somos bárbaros em aceitar que pessoas sejam assassinadas com a nossa permissão.

O caso está sendo relatado com mais freqüência pois o acusado de matar oito vítimas em vários estados americanos é que, ano passado, despediu seu antigo advogado e contratou outro para que a sua execução chegasse mais rapidamente. Entretanto, o juiz que adiou a execução o fez pois informações relatam que o homem apenas está querendo que sua execução chegue mais rapidamente pois não aguenta mais viver a pressão de saber que vai morrer e esse dia não chega. Assim, um dos advogados pediu 30 dias de adiamento para que o homem fosse analisado por psiquiatras para saber se realmente o acusado sabe o que está fazendo e quais seriam suas reais motivações.

Não acredito que a pena de morte seja solução para nada. Muitas e muitas estatísticas provam que a pena de morte não reduziu criminalidade. O que dimunui criminalidade é educação e punição para quem comete crimes. Claro que crimes hediondos como seqüestros, homicídios brutais, torturas, barbaridades merecem ser punidos com maior severidade que outros crimes de menor monta. Entretanto, matar, sob nenhuma hipótese, deveria ser permitido pelo estado. Pois, se o próprio estado permite que algum tipo de morte seja legal, como dar o exemplo?

Espero que esse homem não seja executado. E que os outros que estão no aguardo pelos seu dia também não sejam. Que eles possam ficar o resto de sua vida presos, mas assassinados pela nossa sociedade, jamais. Pelo menos não com a minha aprovação.
Viver, nosso direito, nosso dever!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Chá de camomila é bom para dor de cabeça e algumas outras doenças

Michelangelo, arte e aprendizado

Há dias e há dias