Madre Teresa e Permissão


"Não devemos permitir que alguém saia de nossa presença sem se sentir melhor e mais feliz"
Madre Teresa de Calcutá (1910 - 1997)

Ganxhe Bojaxhiu nasceu em 26 de agosto de 1910, na cidede Skopie, capital da Macedônia, em uma família católica, sua mãe, Drana, era uma pessoa de intensa religiosidade. Aos 12 anos Ganxhe despertou para sua vocação religiosa. Aos 21 anos, escolheu o nome de Teresa em homenagem a Santa Teresa D´Avila. Aos 36 passou a dedicar-se completamente aos pobres, trabalho pelo qual ficou internacionalmente conhecida e a fez receber o Prêmio Nobel da Paz em 1977.


Certo dia, a princesa Diana, vai procurar madre Teresa de Calcutá, abrindo-lhe o coração. Falou-lhe de suas angústias, do vazio que sentia em seu íntimo, muito embora, a sua, fosse urna vida de glamour. E confessou-lhe o desejo de fazer parte de sua ordem religiosa.

A madre comoveu-se ante o relato, cheio de ternura e confiança, e viu muita doçura e bondade na alma daquela mulher simples, porém muito rica e famosa. E com grande carinho, buscou orientar-lhe, Disse-lhe que ela era uma princesa e, como tal, não poderia pertencer à sua ordem religiosa, de extrema pobreza. Então, a madre lhe disse:

- Diana, você pode doar esse amor as crianças indefesas. Na sua posição, você pode auxiliar multas delas, que sofrem... a caridade pode ser exercida, em qualquer lugar onde nos encontremos...

A princesa voltou para o seu palácio e daí, em diante, dedicou-se a visitar crianças vítimas da aids, essa enfermidade tão cruel, e auxiliou, com enorme carinho, crianças mutiladas pelas minas das guerras... desde então, encontrou a alegria de ser útil, o prazer de servir.

Comentários

Robson Lima disse…
Uma outra história sobre Madre Tereza aconteceu também com um inglês. Desta vez, um jornalista.
Certa vez um jornalista foi fazer uma matéria sobre o trabalho de Madre Tereza. Ao ver a pobreza do lugar, ao ver a situação em que viviam os acolhidos por Madre Tereza, ele a perguntou como é que ela suportava tudo aquilo. Ela, com toda ternura que Deus lhe deu, puxou o jornalista pela mão até uma salinha e o mostrou Jesus Eucarístico e disse: Tudo o que eu suporto é por; e para Ele.
* Jesus Eucarístico - A Hóstia Grande no ostensório.
** As palavras de Madre Tereza transcritas por mim, aqui, não refletem, necessariamente, a realidade. Prendam-se ao contexto.
Um beijo tenro em todos!

Postagens mais visitadas