Natural

O que é Natural? Um copo d'água, alguém pode dizer. É verdade. Quando algo está em temperatura ambiente costumamos a dizê-lo natural.

Esse conceito de naturalidade é interessante e pode nos levar a diversas considerações. Inclusive considerações filosóficas sérias para a nossa vida ou para como nos comportamos diante das coisas da nossa vida.

Temos uma "mania" de quando falamos sobre defeitos nossos, nos referirmos a eles como "naturais". Mas, pergunto: o que é que temos querido dizer com isso? Explico melhor. Uma menina, por exemplo, está muito chateada com um rapaz. É que ele ficou de apanhá-la às 5 horas e só chegou às 6 e não avisou. Quando ele chega fala pra ela: "Você já sabia, eu sou assim mesmo. É natural". Bom, sei que podia ter usado um exemplo melhor, mas foi o que consegui. E creio que vocês perceberam o que quis dizer.

Mas não só quando falamos sobre defeitos nossos dizemos que é natural. Quando falamos sobre defeitos dos outros ou sobre situações do dia-a-dia acabamos fazendo o mesmo tipo de comentário. "É natural".

Mas, será que acreditamos mesmo nisso? Ou, melhor, será que realmente é natural? Ou será que somos nós que queremos que as coisas permaneçam do mesmo modo?

Imaginemos o seguinte cenário. Você está em casa. Tem dinheiro suficiente para pagar todas as suas contas sem problema. Então, está no verão e fazendo um calor danado. Você tem um ar-condicionado no quarto onde está. O que é que você faz? É natural, você pode pensar, que, sem titubear, irá ligar o ar-condicionado, não é? Ou seja, quando a situação problema que nos afeta está ao nosso alcance imediato, a gente imediatamente se devota a resolver o problema. Apesar de ser natural o calor a gente não diz é natural e deixa pra lá. A gente pode até, nesse caso, dizer é natural, mas certamente iremos tentar resolver o problema.

Agora, será que com outras coisas fazemos isso? Com a nossa vida emocional, por exemplo? Ou com os problemas da nossa sociedade? Ou com os problemas familiares e de relacionamento? Será que temos ligado os nossos condicionadores de ar para refrescarmos o calor dos problemas ou será que temos repetido sempre a batida expressão "é natural" e deixado os problemas pra lá?

Assim, não é que não possamos dizer a frase, mas é a nossa atitude após o dizer a frase que nos mostra quem realmente somos. O que temos feito para resolver nossos problemas? Esperado? Esperado pelo que? Deixado pra depois? Depois pra quando?

Representação gráfica do Inferno como descrito por Dante
Existem problemas que são insolúveis, não tem? Não, não tem! O que tem são coisas que não podem ser resolvidas por apenas uma pessoa. Mas isso significa que nós não devemos fazer, ou começar? Não!

Temos que começar. Na verdade, já deveríamos ter começado se é que ainda não começamos, pois estamos atrasados. A Idade Média já atrasou em muito a nossa evolução, para que nós, como indivíduos fiquemos parados em problemas que parecem ser insuperáveis. Era nessa época que as pessoas diziam: "Ah isso é natural" e não fazia nada para mudar a situação. Assim, quem fica parado no tempo, achando que tudo que tinha que acontecer já aconteceu e que não pode mudar nada pois os "de cima", ou os que têm dinheiro, é que têm o poder de mudar algo, ainda vivem na Idade Média. Renasçamos, como já o fizemos no passado.

Mona Lisa uma das obras primas de Leonardo Da Vinci.
Digo renasçamos por vários motivos, mas principalmente porque logo depois da idade das trevas vieram o Renascentismo, ou a Renascença, e o Iluminismo, que com a arte, a filosofia, a matemática, a física, etc, ajudou muito a começar a "limpar" a paisagem mental do período de trevas pelo qual passamos nos, aproximadamente, mil anos anteriores (entre o século V e o século XV, aproximadamente). A "descoberta" do Novo Mundo, as grandes navegações, Leonardo da Vinci, Michelangelo, Sir Isaac Newton, Rene Descartes, Galileu Galilei, são apenas pequenos exemplos do que este período produziu. Por que nesse período? Pois foi aí onde o povo continuou dizendo: "É natural que seja assim, mas o que podemos fazer para que não seja mais assim?".

Sir Isaac Newton, talvez o maior cientista, filósofo, matemático, físico, de todos os tempos!
Não, não cremos que seja natural ficarmos parados. Não é natural, pois se fosse natural teria sido sempre assim. A natureza é mudança. A mudança é que é natural, não a estagnação, a aceitação. Só que os homens acreditaram que estagnar, aceitar sem questionar era natural durante 1000 anos. Só que esse período já acabou há mais de 500 anos. Será que já não está na hora de fazermos mais que apenas dizermos "É natural"? Continuemos a limpeza iniciada há tanto tempo.

Como disse Bertolt Brecht (1898-1956 - Teatrólogo e poeta alemão):
"Nós vos pedimos com insistência:
Não digam nunca:
Isso é natural!
Diante dos acontecimentos de cada dia
Numa época em que reina a confusão
Em que corre o sangue
Em que o arbítrio tem força de lei
Em que a humanidade se desumaniza
Não digam nunca:
Isso é natural!
Para que nada possa ser imutável!"

Não somos imutáveis. As situações do mundo não são imutáveis. Imutável só a Divindade. Ela é perfeita. Nós não. Nós somos perfectíveis. Crescemos, evoluímos. Sempre. Assim, não digamos "É natural". Mas, se dissermos, complementemo-la. "É natural, mas o que posso fazer para modificar a situação?"

E não fiquemos apenas na frase. Vamos para a oração. Tanto a mental quanto a lingüística. Pois oração significa atitude, ação, e não passividade. Para ser oração precisa ser verbo. E verbo é ação.

Oremos e ajamos em busca de cada vez mais sermos pessoas melhores, ajudando assim o mundo a ser um local ainda melhor e mais bonito de se viver.

Comentários

Bel disse…
Natural é buscarmos sempre o crescimento, a perfeição a santidade...."Sede santos com teu Pai é santo"......Busquemos na oração a perfeição e não a estagnação, o natural.....O natural não é ficarmos parados olhando na janela a vida passar e sim à rua, fazer valer a graça que Deus nos deu que é a vida e fazer dela o melhor que podemos.

Postagens mais visitadas deste blog

Chá de camomila é bom para dor de cabeça e algumas outras doenças

Michelangelo, arte e aprendizado

Duas Flores