Natal 09


Inscrições Rupestres
Rio Grande do Norte

A última foto que postei relacionada a Natal, foi do Lajedo de São Rafael. Lá eu citei que nos sítios haviam inscrições rupestres. Hoje posto mais uma foto vinculada ao mesmo tema. É uma fotografia que mostra inscrições registradas em nossos Sítios Arquológicos/Paleontológicos. Não consegui determinar a qual sítio exatamente esta fotografia pertence, infelizmente. Apenas relembrando, os sítios mais famosos do nosso estado são o Lajedo Soledade em Apodi e o Lajedo de São Rafael, em São Rafael, já citado.

Por falar em Lajedo Soledade, meu querido amigo Jomar Morais nos informou que em uma de suas colunas no Planeta Jota, seu jornal na Internet, tem uma matéria sobre este sítio (clique aqui para ver a reportagem). Ele ainda acrescenta mais: na edição de Abril/2005 (a atual, portanto) da revista Viagem e Turismo (veja capa ao lado) da Editora Abril, esta mesma reportagem está publicada, mas com a adição de várias fotografias do local. Sugiro a compra da revista pelas fotos e pela leitura, mas se não puder gastar o dinheiro na revista, leia pelo menos a reportagem no link acima.



Para Refletir

Os antigos deixaram suas marcas nas paredes de cavernas e em pedras, nos mostrando a nossa eterna necessidade de comunicação e de deixar marcas por onde passamos.

Que marca temos deixado para a posteridade?
Essas marcas têm sido escritas ou inscritas pelas nossas atitudes?
Elas têm sido inscritas/escritas na areia ou em locais mais firmes?
Que tipo de marcas são essas? Boas ou más?

Espero que se as marcas que temos deixado sejam más, as estejamos escrevendo nas areias do tempo, pois basta uma passada de mão ou uma água do mar por cima que elas se apagarão.

Espero que se forem boas, que elas estejam sendo inscritas nas paredes macias, mas indestrutíveis do nosso e do coração daqueles que nos cercam.

Inscrevo agora um grande beijo, na parede do coração de todos vocês.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Chá de camomila é bom para dor de cabeça e algumas outras doenças

Michelangelo, arte e aprendizado

Há dias e há dias