Desastres

Muitas coisas não podemos evitar.

Por exemplo, quando o Sol "explode" (na imagem ao lado vemos um exemplo de uma dessas explosões - imagem da Nasa) e envia sobre nós campos magnéticos e calor extra nós sentimos as conseqüências e não temos como evitar esse acontecimento.

Em nossas vidas coisas também acontecem que não podemos evitar.

De repente, no meio do caminho, cai uma chuva, um toró daqueles de nos deixar completamente molhados e não temos nenhum lugar próximo onde podemos nos cobrir. Não é o caso da menina ao lado, mas se a chuva foi forte suficiente, mesmo que ela corresse para se cobrir iria ter se molhado da mesma maneira. (Veja aqui o ensaio completo de fotos das ruas do Rio de Janeiro).

Mas, em nossas vidas muitas coisas podemos evitar.

Usando a mesma foto acima, nos perguntamos, o que essa menina está fazendo assim na rua? Ela provavelmente não poderia fazer nada para evitar se molhar. Mas e nós? O que nós podemos fazer por meninas como ela para evitar que ela esteja nas ruas? O que nós temos feito para reduzir situações como essa?

Quando pensamos em ajudar pessoas para que situações assim diminuam, a maioria de nós pensa que para ajudar precisa ir à rua e falar com as pessoas das ruas. Naturalmente que essa é uma opção. E temos exemplos de pessoas que fazem isso e se dedicam a trabalhar diretamente com os mais necessidados nas ruas.

Entretanto essas não é a única opção pois temos que lembrar que cada ser humano tem uma área em que pode atuar melhor. Assim como um cirurgião não seria a pessoa mais indicada para construir uma casa, uma pessoa que não tem muita habilidade no trato pessoal pode ser um excelente secretário ou um excelente tesoureiro em uma organização de ajuda às pessoas.

Ainda mais, se não fazemos nenhum trabalho filantrópico, mas fazemos o nosso trabalho da melhor maneira possível e sempre procurando deixar nossas marcas positivas naqueles com quem convivemos estamos fazendo a nossa parte, por menor que seja, para evitar que problema maiores possam ocorrer no futuro.

Estava lendo duas notícias ainda há pouco e foram elas que me impeliram a excrever esse artigo. Uma no UOL e a outra num site de uma universidade americana.


Um senhor, que criou inúmeros inventos que hoje facilitam a nossa vida, mas que nem o conhecemos, fez uma doação de 20 milhões de dólares (US$20.000.000,00) esse mês para essa universidade (foto do Campus acima - Northeastern University). Um centro de excelência em Engenharia será construído e promoverá a possibilidade de educação de mais e mais pessoas. Ele não só criou no decorrer da sua vida, o que fez com que muitos de nós desfrutássemos de facilidades hoje, mas também devolve hoje à universidade um bem que ela lhe deu: conhecimento.

A outra notícia foi a de um navio petroleiro que afundou nas filipinas no começo do mês e causou um desastre natural, o maior da história daquele país.

Quanto mais sabemos, conhecemos, mas principalmente praticamos o que deve ser praticado, mais "controle" temos sobre o que acontece conosco. Seja porque não acontecerão por nós já termos tomado as devidas providências, seja porque caso aconteçam nós já estejamos preparados para os acontecimentos e saibamos lidar com eles, fisicamente, mentalmente ou moralmente.

Fazer a nossa parte é fundamental. Qualquer que seja ela. Educacional, empresarial, moral, espiritual, legislativa, etc. O que precisamos, entretanto, é criar a consciência de que "se algo vale a pena ser feito, vale a pena ser bem feito". Como diz um outro ditado, "bem feito é melhor que bem falado", mas se a sua vocação for falar e convencer as pessoas, que o faça para o bem, e que o faça bem feito, bem falado.

Quase tudo pode ser evitado.

Um beijo bem dado em todos!

Comentários

Anônimo disse…
Oi.
É um grande problema este de nosso pais, infelizmente mais em algumas cidades, Porém como você bem falou precisamos fazer nossa parte. E sempre esperar o melhor. Beijos. Aniña

Postagens mais visitadas