Mamute

Cientista coreano acusado de fraude diz que tentou clonar mamute (UOL - 25/07/06)

Quando li essa notícia uma coisa me veio à mente de imediato. Religião.

Sempre que se fala de religião as pessoas logo se assustam, desconversam, pois sabem que, muito provavelmente, o assunto vai acabar em polêmica. Aí acabam não falando. Invariavelmente também muitas pessoas não discutem sobre religião porque ela já fez muito mal às pessoas. Será mesmo?

Estou prestes a terminar de ler um livro chamado "The Language of God" (A Linguagem de Deus). Escrito por um cientista - Francis S. Collins - o livro tem como subtítulo "Um Cientista Apresenta Evidência para a Crença em Deus". Não vou falar muito sobre o livro neste post, mas aguardem que em breve devo estar escrevendo um pouco mais sobre ele.

Bom, mas o que queria falar sobre o livro é uma metáfora que o autor usa diversas vezes durante sua conversa conosco. Falando sobre o quanto a "religião" fez de mal ao mundo ele diz: "Uma real avaliação da verdade da fé depende de nós olharmos para a água límpida, pura, e não para o vaso enferrujado que a contém". Naturalmente que a água é a Religião que nos liga ao alto, enquanto que os vasos enferrujados são os homens que cometem atrocidades em nome dela, qualquer que seja.

Disse no começo que quando li a reportagem sobre o cientista coerano que fraudou resultados pois se a "religião" é que sempre foi o algoz de todos os males, a ciência sempre foi a salvadora. Entretanto, mais uma vez percebemos que as coisas não são bem assim como "aparentemente aparentam" ser. O problema, como na metáfora utilizada pelo cientista, não é a água, límpida e pura, mas sim o contêiner, o vaso que enferruja e se deixa corromper. Ou seja, o cientista foi o vaso enferrujado que manchou a água, a Ciência, pura e límpida. Agora, com base nesse caso, podemos dizer que a Ciência prejudicou as pessoas, ou foi o cientista que manchou a imagem da Ciência?

Espero que possam ler não apenas este meu post, mas que também leiam a reportagem e percebam como os motivos que levaram o cientista (e os outros envolvidos) a cometerem as atitudes infelizes são sempre os mesmos (seja na religião, na filosofia ou na ciência): o orgulho e o egoísmo, as maiores chagas da humanidade.

Que possamos todos aprender a não apenas criticar as religões, mas respeitá-las, todas. Mas, acima de tudo, que possamos praticar o que ela nos ensina, seja qual for: perseverância no trabalho para o bem comum, no trabalho bem feito. Ah, só mais uma coisinha. Me parece que também é isso que a ciência nos ensina para sermos bons cientistas: perseverância no trabalho para o bem comum, no trabalho bem feito.

Um dia todos perceberemos que Ciência, Filosofia e Religião são apenas três faces (ou três vértices) da mesma pirâmide. Uma sem as outras não funciona perfeitamente. (E qual você acham que seria a quarta face, o quarto vértice?)

E o mamute no início do post? Bom ele foi colocado para lembrar a todos que precisamos sempre sorrir. E quem melhor para nos fazer sorrir que Maurício de Souza e seus personagens fabulosos? So você clicar sobre a figurinha, irá para a página onde tem o nome desse personagem. Sem olhar, quem saberia dizer o nome desse Mamutezinho lindo? (eu não sabia)

Um beijo pré-histórico em todos!

Comentários

Anônimo disse…
Não eu não sabia o nome do mamutizinho, mas tem um sorriso singelo e carinhoso como o seu. Fica com Deus. Beijos Aniña

Postagens mais visitadas deste blog

Chá de camomila é bom para dor de cabeça e algumas outras doenças

Michelangelo, arte e aprendizado

Duas Flores