Ponto de vista


À primeira vista, esta foto parece banal. O que tem demais um monte de camelos (dromedários?)atravessando o deserto? É uma cena, mesmo para nós que não vemos camelos todos os dias, relativamente comum, já que a televisão, as revistas e a mídia de uma maneira geral nos trazem muita informação todo o tempo.

Entretanto, quando paramos mais detidamente a olhar a foto, percebemos algo um pouco fora do comum. Nós estamos vendo camelos de uma posição que normalmente não vemos: do alto, de algum objeto voador. Como existe aquela eterna pergunta, "quem tem apenas uma corcunda, o camelo ou o dromedário?", é muito comum que os vejamos de lado para que possamos identificá-los. Por falar nisso, quem sabe qual dos dois tem uma só corcunda? Parafraseando os Titãs em sua música "O Camelo e o Dromedário", aquele que acertar essa resposta não tardará a ganhar três corcundas em suas costas... :)

Bom, mas voltando à fotografia, estamos vendo os camelos (ou serão dromedários?) de cima, mas os identificamos muito bem não por estarmos vendo distintamente os camelos, mas sim por vermos as suas sombras. Questão de ponto de vista...

Isso me faz lembrar que muitas vezes nas nossas vidas conseguimos identificar determinadas situações não pela situação em si, mas pelas marcas, sombras, rastros, que elas deixam. E, quando temos um ponto de vista privilegiado, sob qualquer aspecto que seja, nossa visão é um pouco mais ampla que os que não estão vendo a situação sob o nosso ângulo.

Certo dia um Sábio apartou uma discussão entre dois discípulos. Colocou-os frente a frente e estirou o próprio braço entre eles com o punho fechado. Dentro da sua mão, havia uma bola que saía pelas laterais da mão, mostrando assim a sua cor. Então o Sábio pergunta a um dos alunos qual a cor da bola. Um deles responde: - Preta. Então ele se vira para o outro e pergunta o mesmo, ao que o outro responde: - Branca. Os discípulos já iam recomeçar a discutir novamente quando o mestre abriu a mão e mostrou que bola ela meio branca, meio preta.

Um dos grandes problemas da humanidade em geral chama-se comunicação. Infelizmente ainda não aprendemos a nos comunicar direito. Deixamos as coisas subentendidas e não explicamos e quando falamos, muitas vezes achamos que quando eu falo, por exemplo, "ontem eu vi uma manga", eu não posso assumir que todos os que me ouvem ou que me lêem irão pensar a mesma coisa que eu quero dizer. Para que eles saibam do que eu estou falando eu preciso especificar, ser claro, ser objetivo e ser preciso.

Sei muito bem o quanto é difícil explicar as coisas mais de uma vez, entretanto, deixar as coisas ficarem no escuro dá margens imensas a interpretações que podem girar de excelentes a infamantes.

Todos temos o direito de termos pontos de vista e é isso que nos faz crescer e progredir como humanidade, já que a discordância, quando bem posicionada e argumentada gera a mais estudos e a mais conhecimento, o que gera mais progresso e crescimento, num ciclo sem fim. Entretanto, termos o direito de termos pontos de vista diferente, não significa que devemos ignorar o ponto de vista do outro sem uma análise mais aprofundada para saber se o ponto de vista do outro é mais completo ou se também tem lógica.

Um exemplo disso poderia ser, por exemplo, uma pessoa que só olhasse o camelo (dromedário) de frente enquanto o outro tivesse uma visão lateral além da visão frontal do bicho. O que só vê o animal pela frente, pode apontar certas características que a outra pessoa também vê, entretanto o que vê pela lateral poderá prover uma descrição maior do bicho do que o que só vê por um lado. E, muitas vezes a pessoa que só vê o animal pela frente quer teimar com o que vê por mais ângulos diferentes, que vê tantos detalhes quanto ela.

Precisamos aprender que essa imagem, apesar de simples, é o que infelizmente acontece na maioria de nossas discussões. Nós nos fechamos em nossas crenças e em nossos pontos de vista e nem sequer nos dignamos de parar alguns minutos para realmente ouvir o que o outro tem a dizer. E, se não paramos nem para ouvir, fico imaginando quantos de nós para realmente analisar o que o outro está dizendo...

Bom, esse é o meu ponto de vista... E agora me peguei pensando: "Será que felizes são os camelos e os dromedários que não têm que ficar se perguntando essas coisas? Será que quando um camelo olha para outro camelo e vê que o outro tem uma só corcunda ele sabe que tem uma só corcunda também?" Elocubrações filosóficas demais para uma mente não cameliana... Fiquei com sede...

Um beijo no oásis da alma de cada um.

Comentários

Robson lIma disse…
Respondendo a pergunta: o dromedário possui apenas uma concunda.
Quanto a falta de comunicação, veio-me a cabeça uma citação de um conhecido nosso. Atualmente Pastor da Assembléia de Deus. Em uma conversa profissional surgiu a possibilidade de todo o mal existente na terra ser ocasionado pela Igreja Católica. Pois no livro do apocalipse fala que a besta veste escarlate e usa incenso. (Qual a cor dos paramentos do Papa? E muitas religiões, se não todas, usam incenso. Mas como a Igreja Católica usa...) Por que eu citei isso? Primeiro: pra que de um assunto profissional sugir um assunto deste tipo, que pode gerar uma discussão sem precedentes, dependendo de quem a receba. Segundo: como é que queremos fazer um mundo melhor? Se ainda queremos ser os donos da verdade?
Não só a falta de diálogo pode provocar discussãoes sem precedentes. O diálogo maldoso (querendo ou não) provoca discussões ainda piores, podendo levar ao fundamentalismo religioso, no caso. É lamentável que autoridades religiosas (refiro-me a qualquer religião) ainda façam isso. É uma pena! Quando ouço esse tipo de coisa, logo me vem a cabeça os budista. Não sei se eles fazem isso, ao menos nunca tomei notícia. Só tenho notícia que eles pregam o amor sempre e acima de tudo. Shalon a todos. Que Deus tenha misericórida da humanidade. Amém!
Anônimo disse…
ei kenzie.....mandei um endereço para ti de um conto que li de rubem fonseca
beijos Mainha
Marco disse…
Olha Ro
Marco disse…
Caro Robson, observando teu comentário lúcido e oportuno, me congratulo contigo e concordo plenamente contigo. As religiões ditas "oficiosas", são recheadas de preconceito e vaidade. Observe: Elas ensinam equivocadamente aos desavisados e infelizes: "fora de nossa igreja não há salvação" quando o Mestre Jesus ensinava em sua filosofia divina: "fora da caridade não há salvação" e "ama o teu próximo como a ti mesmo".

Postagens mais visitadas deste blog

Chá de camomila é bom para dor de cabeça e algumas outras doenças

Michelangelo, arte e aprendizado

Duas Flores