Rei



Somos todos iguais.

Essa oração já deu, dá e ainda vai dar muita controvérsia. Basta pensarmos um pouquinho sobre ela para podermos imaginar o porquê.

Somos de lugares diferentes.
Nascemos de pais diferentes.
Falamos línguas diferentes.
Temos cores diferentes.
Temos gostos diferentes.
Temos capacidades diferentes.
Temos religiões diferentes.

Mas mesmo quando

Temos religiões iguais;
Temos capacidades iguais;
Temos gostos iguais;
Temos cores iguais;
Falamos línguas iguais;
Nascemos de pais iguais;
Somos de lugares iguais;

A oração ainda continua, e talvez ainda com mais força, a ser controversa. E nem precisa pensar muito para saber o porquê.

Somos todos iguais.

Mas, apesar de toda essa conversa,
Rei também faz cocô!

Cartuns retirados do site:
Világökörség Karikatúra Magazin

Comentários

Robson Lima disse…
É verdade. Não importa o que somos ou o que queremos ser, no final todos nós morreremos (matéria), nossos corpos serão carcomidos por vermes e/ou algo parecido, exaleremos um péssimo odor. Mas tem pessoas que... enfim, não vale a pena comentar sobre isso. Usemos nossas diferenças para crescermos. Um cheiro e um queijo a todos!
Anônimo disse…
É mesmo meu amigo. Todos somos iguais, independentede qualquer outra coisa.
Beijoooosss
Aniña
washi_19 disse…
Recentemente enquanto assistia um filme ouvi a frase: "por que devo me preocupar com o futuro se no final todos nós morreremos?"... muito parecido com o que Robson disse. Isso chegou a mim como uma constatação quase que inédita, como aquilo que está a nossa frente e nunca nos damos conta. Somos tão mesquinhos, queremos ser únicos, admirados, reconhecidos por méritos estritamente egoístas e não lembramos que essencialmente não somos melhores ou piores que ninguém. Todos temos defeitos e qualidades e devemos ser sábios nas nossas escolhas, fazendo da vida uma oportunidade para crescer não só, mas juntos; construindo valor entre diferenças e igualdades.

Postagens mais visitadas deste blog

Chá de camomila é bom para dor de cabeça e algumas outras doenças

Michelangelo, arte e aprendizado

Duas Flores