Sombreiro

Via Láctea

A Via-Láctea, nossa galáxia, vista acima em uma concepção artística feita pela NASA, tem esse nome por podermos ver a junção de sua estrelas como uma faixa, uma rua, uma via esbranquiçada, muito semelhante à cor do leite. Como uma das maneiras de aprendermos é fazendo comparação com o que já conhecemos, nada mais justo então que possamos chamar algo que se assemelha a um caminho leitoso de Via Láctea. Além do que, é muito mais bonito chamarmos algo de Via Láctea do que Caminho Leitoso... :D Como informação extra, esse nome não é novo. Ele já era usado pelos Gregos e Romanos há muito, muito tempo.

Do mesmo modo outras coisas em nossa vida nós nomeamos com base em algo que já existe e se assemelha ao novo objeto. Por exemplo a asa de uma xícara, o mouse que usamos no computador que se assemelha a um ratinho, ao dizermos que "nossa cidade é um ovo", para nos referirmos a como ela é pequena e tudo está contido nela, etc.

É por causa disso que uma outra galáxia é bastante conhecida nos meios astronômicos mais pela sua semelhança com um objeto do que necessariamente pelo seu nome oficial (Galáxia Espiral M104). Estou falando da Galáxia do Sombreiro, sobre a qual eu já escrevi aqui mais ou menos um ano atrás. (clique para ler a outra postagem e ver uma outra foto linda dessa galáxia)

Galáxia do Sombreiro

Nessa figura acima, (a maior ao lado esquerdo) vemos o resultado da combinação de três fotos da mesma galáxia, tiradas por métodos e aparelhos diferentes. Podemos ver do lado direito as três fotos originais. A primeira tirada com Raios-X. A segunda tirada pelo telescópio espacial Hubble e a terceira tirada em infravermelho telescópio espacial Spitzer.

É interessante notarmos o quanto nós não vemos quando podemos ver as coisas com outros olhos. Ainda na foto acima, a foto pequena do meio - a esverdeada - é a única que foi tirada com aparelhos ópticos que se assemelham ao olho humano. Ela é provavelmente o que veríamos a olho nu (fora a cor) caso tivéssemos possibilidade de ver a Galáxia. As outras duas fotos mostram muitas outras coisas que nosso olho não capta, por não enxergarmos na freqüência em que elas estão vibrando...

Assim, fica a pergunta. Se nós não conseguimos ver tudo o que é material, mas que está presente, temos ainda como duvidar que temos algo mais dentro de nós que seja além da nossa percepção apenas sensorial? Quantos sentidos ainda nos falta ser desenvolvidos para que possamos realmente perceber o universo como ele realmente é?

A frase de Jesus a Tomé "Por que me viste creste? Bem-aventurados os que não viram e creram" se coaduna completamente com a reflexão filosófica de Hamlet, escrita por Shakespeare "Há mais coisas entre o céu e a terra do que supõe a nossa vã filosofia". Ainda temos muito que aprender na vida e, se algum dia nós acharmos que já sabemos de tudo o que há pra saber, ergamos as orelhas pois provavelmente o orgulho e o egoísmo tomou conta de nós.

Que possamos usar o "Chapéu de Deus" como exemplo de que ainda temos muito que crescer, tanto materialmente quanto espiritualmente quanto moralmente em nossa vidas.

Um abração do chapeleiro maluco... Arriba... Com sombreiro e tudo mais...

P.S.: Hoje, 5 de maio, é o aniversário de Divaldo Pereira Franco (1927), maior orador Espírita do Brasil e também é comemorada a vitória do México contra o exército Francês na Batalha de Puebla, em 5 de maio de 1862. Parabéns.

Comentários

Allena - Nalinha disse…
Oi Amor...
Saudades de vc.
Nunca mais tinha vindo visitar o seu blog.
Mas aqui estou hoje. Nessa mesma Galáxia que vc. Pelo menos mais pero que o novo planeta.
Saudades.

Beijos
Claudia Nascimento disse…
Oi Mack,
Mesmo sem comentar, saiba que estou sempre por aqui. É que para alguém que tem confiado demais nos olhos e duvidado da inspiração como eu, essas leituras dão o que pensar...
Enfim, vim compartilhar as minhas pensações.
Bjs

Postagens mais visitadas deste blog

Chá de camomila é bom para dor de cabeça e algumas outras doenças

Michelangelo, arte e aprendizado

Duas Flores