Desnutrição X Obesidade

Brasil é o país com maior população desnutrida da AL, diz ONU - 01/06/2005 - UOL Últimas Notícias

É uma pena que a fome ainda seja um problema no mundo. Ainda mais quando sabemos que o problema da obesidade também é muito, muito sério também.

Em uma pesquisa realizada pela ONU, foi divulgado que o Brasil é o País mais "desnutrido" da América Latina. Só ficando atrás de países da África, cuja situação é mesmo degradante.

É interessante ver como nós humanos ainda somos regidos pelo exagero. Exagero esse que é levado a termo pela maior de todas as nossas chagas morais: o egoísmo.

Eu quero sempre mais. Sempre mais pra mim. Depois, se sobrar muito, tiro um pouco do que sobrou para guardar e aí o restinho de nada eu dou. Mas muitas vezes dou ao lixo. E infimas vezes dou a quem precisa.

É assim que estamos cada vez mais ficando gordos. Egoísticamente gordos. As estatísiticas comprovam. Enquanto 1% das crianças da África estão em situações precárias de saúde por causa da desnutrição, 3% das crianças da África estão com sérios problemas devido à obesidade (The New York Times)

Isso significa que não devemos nos preocupar com os famintos? De maneira nenhuma. Temos que nos preocupar sim.

Ouço de quando em vez, críticas às políticas (principalmente agora na campanha do Fome Zero instituída pelo Governo do Brasil) "paternalistas". "Isso não funciona", "aquilo não dá certo", "desse jeito não vai", e assim por diante... Pergunto então: o que nós, os que estão reclamando das políticas e os que não estão, estamos fazendo para mudar essa situação?

Criticar o governo por crermos que a política é incorreta é a parte mais fácil e a menos produtiva das nossas ações. Será que em em casa estamos fazendo a nossa parte? Será que não estamos ingerindo açucar demais e aumentando as estatísticas de obesidade? E o que que temos feito com o que tem sobrado dos nossos alimentos? Será que não temos desperdiçado demais?

Dar do que nos sobra não é mais que nossa obrigação. Se não estamos fazendo nem isso, quem somos nós para falar do governo? Certo dia, conta-nos uma história, uma mulher foi com o filho a um sábio. Ela sempre dizia ao seu filho para parar de comer açúcar e ele não ouvia, então ela foi ao sábio para que ele dissesse, então poderia ser que o filho parasse. O sábio pensou um pouco e disse a ela para voltar em duas semanas. Duas semanas depois a mulher volta com o filho. Então, sentam-se todos, o sábio olha para o garoto e diz: "Você deveria seguir o conselho da sua mãe e parar de comer açúcar! Era isso o que tinha a dizer a você!" A mãe fica intrigada e pergunta: "Mas o senhor precisou de duas semanas para dizer apenas isso? Por que não disse isso quando tive a qui pela primeira vez?" - "É que eu precisei parar de comer açúcar antes de poder dar o mesmo conselho ao seu filho!"

Quantas vezes estamos criticando o governo ou aqueles que pelo menos estão tentando fazer algo, mas não estamos fazendo nada no nosso íntimo ou no íntimo do nosso lar?

Quando conseguirmos equilibrar a balança, não apenas a da massa corporal, mas a do nosso comportamento moral seremos mais felizes. E para chegar é, temos que fazer igual à galinha, que de grão em grão, enche o papo. Tenhamos cuidado para não nos enchermos demais e, além disso que possamos dar um pouco (de preferência mais do que o que nos sobra) aos que precisam mais que nós.

Um grande abraço.

Comentários

Bel disse…
Oi Mackenzie!

Muito legal seu texto. É importante que lembremos também que, o importante não é dar o que nos sobra e sim o que nós mesmos temos. Dessa forma, estaremos praticando verdadeiramente a caridade. Do contrário, se dermos as sobras, estaremos dando as esmolas.
Beijos com saudades.

Postagens mais visitadas deste blog

Chá de camomila é bom para dor de cabeça e algumas outras doenças

Michelangelo, arte e aprendizado

Há dias e há dias